26 de julho de 2009

Franco-Português

Da França uma capicua. Foi um silêncio bem sonoro nas planícies alentejanas.
Entre o suor e o inferno, há trabalho de equipa e lágrimas na despedida.
Até um rosto de sangue foi encontrado no meio das pedras e dos menires.

De Portugal uma certeza. Do regresso e da beleza dos corpos em surdina.
Entre uma pele branca e macia e a hirsuta barba dos homens violentos.
As obscenidades desafiam a alma das mulheres e o seu iluminado encanto.

Deste conclave Franco-Português resta a certeza do esforço e brio de todos.
No fim, a alegria da criação (como diria Zeca Afonso) e a liberdade da vida.
Da vida partilhada em grupo, comunicando emoções e afectos pela noite fora!

2 Comments:

Blogger Está tudo iluminado. usou da palavra

Oh Perdicion!!:)

muito bonito o sentimento nas palavras*

tenho saudades*

29 julho, 2009 12:34  
Blogger Está tudo iluminado. usou da palavra

Ah, tinha-me esquecido de te pedir.
Manda-me a nova versão da Cândida Branca Flor de pêlo no peito! pffavore*

beija*

:)

29 julho, 2009 12:41  

Enviar um comentário

<< Home