27 de junho de 2008

Redemoinhos...

Na falésia da utopia, há corpos insones na maré do sonho
Pétalas de luz na margem obscura do pranto e uma fulva,
demencial emanação das águas cristalinas. Há sexo na baía
do teu corpo exangue, um festival de reverberações e uma
anódina sessão de massagens suaves no limbo da tua pele.

E agora no mural em que me pintas, há corpos num torvelinho
de paixões. A musa está em férias e abeira-se do meu torpor,
sugando a linfa do meu perene limbo esfuziante de sons de búzios
e de mar. A queda de água precipita-se na bucal consciência
dos mortos, que em surdina segregam as vis virtudes do mundo.

A orla deu à costa, no quebranto da terra, um estilete de raios
luminosos, aguçando o anátema da dor. O prazer da sapiência
é imenso, aflorado na estação ogival das ondas. No fim da jornada,
há idílios consagrados, ritmos para animar corpos em dúvida, suor
e fama. Uma refeição gourmet com toda a maresia suave do mundo.

5 Comments:

Blogger Afectos usou da palavra

Na dolce vita como o »« intimités »«? Há que trabalhar também. E parta uma perna.

11 julho, 2008 14:30  
Blogger Dewilme usou da palavra

é Haiku?

11 julho, 2008 20:08  
Blogger Dewilme usou da palavra

os posts anteriores claro..

11 julho, 2008 20:14  
Blogger odeusdamaquina usou da palavra

É Saké!

11 julho, 2008 20:23  
Blogger odeusdamaquina usou da palavra

Nada de dolce vita. Apenas que eu preciso do palco, por isso estou em ensaios para um espectáculo.
Estreia para a semana, dia 19 Julho no Porto - Teatro helena Sá e Costa (22 horas). A peça chama-se "Falha". Está esclarecido.
Não consigo amar 4 coisas ao mesmo tempo (teatro, poesia, acabar o curso, dar aulas como professor).
Depois do verão terei mais tempo para voltar às letras.

11 julho, 2008 20:26  

Enviar um comentário

<< Home