17 de novembro de 2007

reflexão

Porque é que não nos deixam bater no fundo de uma vez por todas?

Na verdade, o melhor que podia acontecer a este Portugal desenrascado era bater fundo no fundo. Fecharem os museus por falta de pessoal, terminarem as subvenções para as artes performativas (e para as outras todas) em vez de uma distribuição de merceeiro, instalar-se de vez o Hermitage em tudo quanto é capelinha com mais de dois metros de altura, fecharem os teatros municipais deixando que a belíssima arquitectura que nos orgulha fosse consumida pela bicharada. E já agora comprar cimento barato para que as fendas aparecessem mais depressa. Deixar que o ensino artístico e o trabalho com as populações mais desfavorecidas fosse, finalmente, entregue aos salões paroquiais, para que uma nova geração de devotos pudesse construir novo tempo debruado a ouro e esmirna daqui a dez anos, quem sabe no mesmo local onde agora se fez o de Fátima. Permitir que Berardo vendesse os seus quadros entre três croquetes e duas acções do BPI. Não criar lei nenhuma para os profissionais do espectáculo e audiovisual, que os mandassem todos para a fila do centro de emprego que há por aí muita loja da TMN a pedir funcionários a part-time. Enfim… deixar a coisa bater no fundo, porque só a promoção contínua da desigualdade parece funcionar neste país ridículo e laxista.

A apresentação do Orçamento de Estado, feito à pressa, como conta o DN hoje, porque a sala precisava ser ocupada por outra coisa qualquer, não é mais do que exemplo do lugar que a cultura têm hoje: ornamental, de abrilhantamento, de passagem de tempo. Em entrevista recente à SIC, o ministro da Economia, em jeito de antecipação do programa paralelo à visita de Putin, dizia: "e depois há um momentozinho musical para os nossos convidados descontraírem".


Porque haveríamos de andar todos a discutir o papel do artista na sociedade se a sociedade parece não querer importar-se dois tostões com o artista? Esta coisa da arte mendigante é aflitiva, promove o desenrascanço, substitui-se à verdadeira reflexão, permite que a mediocridade reine. Do Ministério da Cultura à própria classe artística e ao público. A produção sistemática nem sempre traz bons resultados, antes mimetiza, distorce e ridiculariza o que de bom existe. Esta insistência na produção sem meios é fatal a um tecido que se quer exigente. Este laxismo, esta confiança de que as coisas um dia vão melhorar, esta esperança num vazio imenso é o que acaba por nos consumir. E se assim é, não vale a pena acabar-se com o Ministério da Cultura. Que se acabe com a cultura de vez. Afinal, está mais do que provado que ninguém percebeu que quando falamos de cultura falamos de identidade. Ora, um país sem alma nem espinha dorsal como o nosso, não precisa de identidade para nada. Canta um fado e segue em frente. Num autocarro a caminho da emigração. Foi sempre assim, vai ser sempre assim. Má sorte. Ou exactamente aquilo que fizemos por merecer.

Tiago Bartolomeu Costa, n`O Melhor Anjo

3 Comments:

Blogger Zé Bonito usou da palavra

"Afinal, está mais do que provado que ninguém percebeu que quando falamos de cultura falamos de identidade".

Pois é. Mas o que se quer são "consumidores". Do chinês, do Calvin Klein, do raio que os parta. Também se quer gente crédula. Gente que acredite que estamos a ser dirigidos por iluminados. Para ambas as coisas, isso da "identidade", do conhecimento histórico, das referências, só atrapalha.

18 novembro, 2007 15:24  
Blogger Ariel Sharon Tate usou da palavra

(Ena, um comentário!)

Concordo contigo, Zé. Essa questão de argumentar que a cultura nos ajuda a formar a identidade apenas é válida, no meu entender, ao nível de cada um, da nossa própria identidade, e nunca no campo da chamada "identidade nacional" ou "identidade de um povo" - aliás, "identidade nacional" é para mim uma expressão bacoca, mais referente ao "marketing"/branding". A cultura será mais importante na construção da tal identidade, mas a nível pessoal.

20 novembro, 2007 16:20  
Blogger Tiago usou da palavra

obrigado pela referência, mas é costa, tiago bartolomeu costa.

22 novembro, 2007 14:41  

Enviar um comentário

<< Home