2 de novembro de 2007

Defuntos Poemas

Simples. O medo. Nacarado de desejo.
Múmia petrificada no diadema do teu rosto.
Ossos e pétalas. Metal híbrido. Leve artefacto do olhar.

Problemas. A morte. Musicada de pranto.
Memória esfíngica do suave contorno da cintura.
Incenso e madeira. Fogo lento. Pútrida carne de solidão.

Decomposto. O corpo. Plantado na bruma.
Mártires enjaulados na gaiola do teu coração.
Árvores e frutos. Sucos agridoces. Raíz frugal de saudade.

Complexa. A vida. Estiolada de amor.
Massacres constantes na tragédia do teu sexo.
Ervas e pedras. Areias movediças. Pesada ocasião da morte.

2 Comments:

Anonymous Anónimo usou da palavra

não é solidão é desilusão,

02 novembro, 2007 20:44  
Blogger Joana Dalila Santos usou da palavra

está bonito...

05 novembro, 2007 14:37  

Enviar um comentário

<< Home