29 de agosto de 2007

Deambulações...

Já cometi todos os erros que querias
faltei aos mais importantes acontecimentos,
perdi-me de ti e de todo o universo da sorte
e da ostentação mesquinha dos louvores da urbe
cansada e poluída, à procura de um deus menor

Nas faldas do teu universo rochoso, procuro
a pureza de um vassalo fiel, a humilíssima visão
de um canto embriagado e rude.

Amei-te freneticamente, mulher-corpo falésia
de um instante carcomido. Possuí-te! Homem
sereno e idílico, cachão de outras eras.

Na senda dos montes e dos vales, a heresia
do silêncio, a lenta agonia do desengano
e a fauna álacre em tempo de cio. Partituras
da orla burlesca num medieval e fecundo canto
de amor e morte em profícuas deambulações.

2 Comments:

Blogger Afectos usou da palavra

Retemperado. Já sentia a falta. Continua para o bem e para o (mal)

29 agosto, 2007 20:41  
Blogger Tchivinguiro: onde nasci. usou da palavra

"o mundo fica irreal, mas não me importo", MARIA JOSÉ QUINTELA

31 agosto, 2007 00:03  

Enviar um comentário

<< Home