27 de abril de 2007

Livro Incompleto -Tomo I

Incúria!
do animal parado que há em ti
A extorsão da memória
num futuro agitado

Prestas atenção ao discurso sonâmbulo
dos afectos quebrados na rotina dos dias

Oblivias a tua mente no sensual cheiro
do universo em fatias mistas de dor

Adular o petrificado
do passado pomposo
na tua escória dos
vagamente etéreos
e imberbes sonetos

Caiu-te a suprema malícia
da primavera dos troços
obtusas rotas do infinito

No dealbar da noite
a fineza do teu secreto adeus
Porta-estandarte da poeira
dos dias enviesados no mar

Fria, calcária mente insurrecta
águas paradas no frémito da luz
nacarada de desejo.
Arames farpados da ebrúnea noite
de nevoeiro intenso. Coloração
semiótica e metalinguística.

Jogos à parte, as favelas da vida
são fardos bem secos
na esteira do teu acamado
solilóquio trans-geracional.

Hifenizado para fazer sentido(s)
nos rumos contraproducentes
dos acordos do português gramatical

Libidinosa sílaba abrigada do vento
o odor do verso é pátria mãe
dos dias infindáveis

Desejo-te sorte
nas intermitências da vida
que o parágrafo nos dá!

Completo o exílio da forma
adianto a composição inusitada
de um texto hiperbólico
Supra-sumo da parábola
sem caroço nem casca
para mastigar.

O gomo
do teu andar é a fibra
que me impele a refazer,
a realizar o corte dogmático
com o presente.

Vilipendiado o olhar motriz
da tua candura, não há obra
que se escreva sem um nó
na garganta funda do meu
funesto sentimento.

Perdi-me na perífrase
da orla manchada de crime
o sexo macabro e infértil
da tua dança, as chamas
inquietas que libertam perfume
as cálidas manhãs de orvalho
na gelosia da mata breve
de escárnio e rasganço real.

Famigerado corpo dolente
e rebuscado de afecto
Edição revista e argumentada
com direito a posfácio
Na badana do teu firme rosto
o título a grosso, rasurado

Está a sair-me da boca
um murmúrio azul:
- "No prelo do teu demasiado amor".

5 Comments:

Blogger Afectos usou da palavra

depois do não poder deixar deixei (em blog próprio) o que deixo agora aqui é simplesmennnnn....te lindo... e muito mais deixo em explicações que 40 explicações poderiam deixar. Embora possa parecer não foi na hora dos 40 ladrões. Confuso? Mas foi o que me apeteceu deixar. Porra: é mais fácil dizer: é o máximo.Desculpem mas hoje é o meu dia de psicanálise avec Freud.

27 abril, 2007 22:58  
Blogger odeusdamaquina usou da palavra

Espero que reencontres Freud bem disposto e que convoque Maquiavel para agradáveis suspensões da memória catártica!
Confusa?
São 40 palavras que roubam aos sentidos a pureza singela deste meu agradecimeto. Tens de ser especial para encontrar nesta prosa algo de máximo. Sou um simples ladrão de imagens e sonhos ressabiados, de verve fácil e seiva escorrendo em abruptas pulsões germinais.
Tomara eu ter Freud e o seu divã, para me endoscopiar a tormenta criativa do meu cérebro infantil!

28 abril, 2007 14:38  
Blogger belinha usou da palavra

Acredita em Bruxas? Não?!Mas uma existe,deseja ser um selo de correio e precisa do seu voto!

Clicar aqui para votar na Bruxa

28 abril, 2007 22:59  
Anonymous Anónimo usou da palavra

Caros amigos,

"José Afonso", figura ímpar da cultura portuguesa, que trilhou, desde sempre, um percurso de coerência na recusa permanente do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo salazarista e pela liberdade e democracia, é tema de um selo que está em 5º lugar. Precisamos do voto de todos para que se faça um selo em sua memória e em louvor à Liberdade.
Num período de exaltação de valores salazaristas, devemos contrapor com os nossos defensores de Abril!

“Venham mais cinco!!
Traz um amigo também!”


VOTA
[aqui]

Abril, SEMPRE!!

Davide da Costa

01 maio, 2007 16:25  
Blogger mao morto usou da palavra

Tomo outro!

01 maio, 2007 18:03  

Enviar um comentário

<< Home