4 de abril de 2007

Este Salazar que vos fala! (parte quatro)

Após tão tranquila viagem, apesar da Brigada de Trânsito da GNR, que me deixou passar, devido ao "toque" do Sr. do Vimieiro, que disse que ia em alta missão de "espírito" nacional, aparquei junto à escola primária, um portento arquitectónico, que será a sede do futuro Museu.
-Olá proto-espírita -retorquiu Salazar, muito bem disposto e a jogar em casa, literalmente!
-Então e o seu almoço? - Bom, já sabes, a minha Maria fez uma Vitela de Lafões que nem queiras saber, com arroz de carqueja! De morrer! Ahhhh! Riu-se a bandeiras despregadas!
- Bom, então quer que eu utilize o meu capital espírita para chamar aqui toda a gente do regime?
- Não, nada disso! Só quero as Gajas! Sim, sei que me tomas por velho, mas eu já aprendi o vocabulário urbano. Tenho andado por Viseu nestes tempos! Ali na Biblioteca do Politécnico, com as garinas ali a estudarem, cheias de calor e hormonas no ar, que a primavera de Praga não perdoa! Eh, eh! -Ai, como eu adoro uma boa patacoada! Adoro piadas senis! Tem mais a ver com o meu profile! A propósito: já me inscrevi no Hi5, claro, com um nick apropriado, mas que não te vou revelar. Já que és adivinho, descobre!
-Certo, certo, vamos ao que interessa! - disse Sérgio - proto-enfermo-escrótico-artístico.
-Ok! E não é a Ivone Silva que fala, já te fiz o teste há pouco! Arranjei outra estória para te trazer aqui. Se dissesse que era eu que queria gajas boas e desnudas, de carnes bem roliças e rosadas a cheirar a patchouly, tu viravas-me logo as costas. Então disse que era pelo Museu. Mas o que eu quero é mesmo Gajas! Boas, Minhotas, Beirãs, Alentejanas, Algarvias, Estremenhas...
- Não, Toni. Já não se diz nada disso! As províncias já acabaram. Agora são regiões! Pronto, quer gajas do Porto e área metropolitana envolvente, de Lisboa e Vale do Tejo, do Douro Superior, do Douro Internacional...
- Isso pertence a Bragança? - O Douro Internacional?
- Creio que sim!
- Compro! Venham dessas! Dizem que são de boa qualidade, resistem ao frio e à chuva, têm melhor manutenção e alimentam-se de alheiras e vinho barato! Compro!
- Ok! E como é que vamos fazer? Tem dinheiro?
-Oh se tenho! Tenho tudo debaixo de um alçapão lá na Cozinha! Anda ver!

E lá foram ver! Qual não foi o seu espanto ao descobrir que Salazar tinha muitas notas...
em Escudos!

-Mas...Mas, isto são escudos!
-Naturalmente!
-Mas agora a unidade monetária é o Euro!
- Sim, eu sei! Mas estas vintenas, olha, são todas as que consegui arranjar dos primeiros anos da minha ponte sobre o tejo, a Ponte Dr. Oliveira Salazar! Bela obra!
-E as de Cem, foram as que consegui tirar dos impostos dos Funcionários Públicos da altura. Acho que tenho para aí 2 mil contos! Achas que dá?
-Bom, é difícil, a vida hoje está muito cara. E quando se trata de Gajas...
-Ah, mas nós vamos fazer negócio! Eu vendo isto ao Banco de Portugal, ou às casas de Numismática, ou aos leiloeiros. Há muitos colecionadores por aí! Vais ver que isto vai ficar por 10 mil contos, 5 vezes mais!
-Portanto, 2 mil euros, cinco vezes menos!
-Como?
-Ah, é a transformação dos Escudos em Euros!
-Então quer dizer que ficamos na mesma? -Eu multiplico por cinco e agora os Euros dividem por Cinco!?
-É isso mesmo!
-Ora cagandabarrete!

2 Comments:

Blogger odeusdamaquina usou da palavra

Cagandabarrete porque aqui ninguém comenta! Terá sido o fim de tão poeirenta estória?

12 abril, 2007 15:17  
Blogger mao morto usou da palavra

AX to AX
pó ao popoff

o final vem aí
(é convidá-lo a entrar)

13 abril, 2007 17:10  

Enviar um comentário

<< Home