24 de julho de 2006

O Eremita Circunspecto

Particular existência do mal
Malignas cogitações na periferia
dos olhares transviados

Coágulos insuspeitos, miudezas
da carne e do espírito
Opíparas bocas sedentas de ambição

Nascem as mais vetustas leis
as perversas criaturas do pensar
incoerente e funesto

Marcas a distância dos afectos
não te dás a esses ditirâmbicos seres
preferes a modorra da solidão

Demarcas-te da multidão
soçobras nas praças públicas
inundadas de suor operário

Perdes a noção do espaço
o tempo está a galopar ferozmente
nas tuas costas, avança sobre ti

Corrres em direcção ao mar
à serra, à gruta, tanto faz.
Tornas-te um eremita circunspecto

Só o teu corpo, a tua solidão
os teus vícios interiores
a tua paranóia individual
contam para o breve
silêncio do universo

Deixas-te ficar
choras, ris, vives sujo
e apaixonado
Foste vítima dos
teus devaneios de amor

Amaste tanto que a sociedade
te via como um ladrão de corações
um ingénuo e infantil
brincalhão dos afectos

Por isso renunciaste a tudo
deixaste que o tempo se
afeiçoasse às tuas costas
Pensaste demais
quando tudo à tua volta
era de menos

Partiste, em direcção ao mar,
à serra, à gruta, tanto faz.
És o eremita velho, cansado
mas que ainda tem nos olhos
a felicidade de sonhar acordado!

2 Comments:

Blogger Trilby usou da palavra

Olha quem eu encontrei aqui escondido que nem um eremita! :)

(Não digas nada ao teu companheiro de escrita mas eu era o único elemento feminino que postava no Vareta).

31 julho, 2006 01:26  
Blogger mao morto usou da palavra

... será o nosso segredo...

21 setembro, 2006 03:50  

Enviar um comentário

<< Home