26 de julho de 2006

Busca, Boris, busca! (a 2ª parte)

Resumindo o que até aqui aconteceu:
Boris empreendeu uma viagem sem rumo certo e sem um propósito claramente definido. Depois de um desaguisado com um camionista de óculos escuros e dentes palitados até à exaustão, encontramo-lo agora numa estação de serviço.
Tenta arranjar boleia, mas sem o conseguir. E eis que começa a sentir fome. Repara então no movimento de carros e camiões ali perto, num descampado cercado por alguns eucaliptos. Foi ver. Era uma prostituta, vergada sob o peso de inúmeros clichés: vestuário assim para o minimalista, gestos nervosos, maquilhagem exagerada. Os seus seios eram difíceis de descrever: alguns diriam que eram pequenos e flácidos, outros que eram pequenos mas arrebitados. Eu cá alvitraria... bom, olhando atentamente, arriscaria dizer que são mais atentos ao mundo que desfalecidos, apesar de se encontrarem em parte ocultados por um top, de cor vermelha e impregnado de bondade. Os seus cabelos de tons arruivados estavam apanhados para trás: quem se chegasse suficientemente perto (e tal hipótese não será de desprezar) ouviria eventualmente os cabelos a gemer debatendo-se com a força exercida pelo elástico que os prendiam. Ah, e ela fumava. Boris acercou-se dela, pois estava sozinha.
- Que fazes por aqui? – perguntou. Uma pergunta estúpida como esta só poderia ter o propósito de meter conversa.
- Ritual de lo habitual- respondeu ela, fitando-o. – E tu, o que procuras?
- Empreendo uma jornada que me levará a conhecer-me plenamente e a plasmar-me com o universo; pelo menos assim espero.
- Olha lá, tu deves andar metido em cenas duras, não?
- Não te sigo o raciocínio...
- Quando comecei a fumar cavalito também tinha umas tiradas dessas, género filosofia de trazer por casa. Era bom quando me “batia”, conseguia pensar com tal clareza, como se conseguisse distanciar-me de mim própria, tinha uma percepção mais distanciada de mim mesma e do mundo. Mas isso já lá vai. Agora só tento aguentar-me tant bien que mal até ao próximo chuto.
- Não tomo drogas. Tento que a minha existência seja o mais desprendida possível das coisas mundanas.
Nesse momento, um carro azul-escuro aproximou-se lentamente deles, mas afastou-se pouco depois.
- Mas andas por aí aos caídos? Tens de saber fazer alguma coisa para te amanhares por aí!
- Sei esperar. Sei jejuar. Sei pensar.
Inconscientemente, apercebeu-se que tinha respondido exactamente como Siddhartha houvera feito no livro. Só que jejuar ainda não estava ao seu alcance, daí a fome que sentia. Esperar era fácil: bastava nada fazer e aguardar pelos acontecimentos, tinha tempo para isso. Pensar também não lhe era difícil: pois se não fazia ele outra coisa! Aliás, pensar era para ele o meio primordial de desenvolver o intelecto, de ascender espiritualmente ao estado superior que tanto almejava. Mas a fome, essa maldita fome que o assolava como um cão que nos segue para todo o lado com aquele olhar que inspira piedade a cada expiração, a fome já lhe toldava o raciocínio, e aos poucos até o andar se ressentia.

Entretanto a prostituta acendera um cigarro; o fumo afastava-se da ponta, voando em todas as direcções, dir-se-ia que enjoado pelo sabor do cigarro a arder e procurando afastar-se dele a todo o custo.
- Are you there? – perguntou ela.
- Estava a pensar... estou a sentir fome. Por acaso não me poderás dar de comer?
- Mas tu que gostas tanto de jejuar agora sais-te com essa? – Soltou uma risada tão abafada como o tempo. - Olha, já que não tomas drogas, a solução é snifar gasolina. Vais ali ao posto, cheiras gasolina (gasóleo também serve) e vais ver que mascaras a fome durante muito tempo.
- Vou fazer isso. Obrigado pelas tuas palavras. Vou retê-las na minha mente, bem como a tua imagem.
- Oh, que simpático da tua parte reteres-me! – disse ela entre o sarcasmo e a ironia, o que bem vistas as coisas não são assim duas coisas tão distintas como se possa supor. Foi sarcónica a rapariga, e assim se condensam as duas expressões numa só, simplificando a narração que não raras vezes se perde em devaneios algo insossos (como agora, por exemplo).
- Olha, antes de me ir embora... como te chamas?
- Doris – respondeu Doris (agora já a podemos tratar assim). – O meu nome é Doris!
- Curioso, eu sou o Boris! Bom, até sempre, Doris! Gostei de me ter cruzado contigo, ainda que não em sentido bíblico! – mal tendo acabado de proferir estas palavras, virou costas a Doris, ao descampado e aos eucaliptos e estugou o passo em direcção ao posto de combustíveis. E já não a ouviu dizer:
- Doris não é propriamente o meu nome verdadeiro... – disse, quase em surdina. Como Boris não a ouvira, Doris - chamemos-lhe então assim - manteve-se quieta por uns instantes, ensimesmada dirão alguns, até que o ruído do tráfego na estrada lhe despertou os sentidos.

O conselho de Doris-que-afinal-não-era-Doris-mas-Boris-não-o-sabia revelou-se bem útil. Cheirando gasolina, Boris saciou a fome e desenvolveu a arte de jejuar, ainda que por ínvios meios. Mais tarde um casal de caravanistas deu-lhe boleia até a um parque de campismo ali perto, junto a uma praia extensa ladeada por arbustos e pinheiros-anões. Boris, extasiado, decidiu que tinha encontrado o seu poiso, e por ali ficou. Num recanto abrigado dessa senhora malvada chamada Curiosidade Alheia construiu uma cabana onde passou a pernoitar. Durante o dia vagueava pela praia e pelas imediações do parque de campismo, e quando a capacidade de jejuar se afastava dele sem aviso prévio, dirigia-se às traseiras do restaurante do hotel – sim, porque também havia um hotel por perto, ainda não vos tinha dito, são muitas coisas ao mesmo tempo – dirigia-se às traseiras do restaurante, dizia, onde os empregados o presenteavam com as sobras das refeições do dia – e que bem sabiam a Boris estas mundanas iguarias! Claro que no final do lauto banquete se tentava autodisciplinar, “Não se deve ceder tão amiúde às sensações do mundo” e outros ditos que tais, o que o ajudava a sentir-se mais e mais comprometido com a sua nova existência.
Passava a maior parte do tempo vagueando pela praia despojado das suas vestes, pois ali a prática do naturismo era tolerada nos locais mais afastados da entrada principal do areal. Os nudistas perguntavam aos “têxteis”: “Desculpe, posso tirar aqui a roupa? O vestuário oprime, sabe...” ao que estes respondiam: “Claro, por quem é, eu tolero isso!” e era este o código de conduta que regia a dita praia, onde até às gaivotas eram mais libertárias que as de outras praias.
Assim decorreram várias semanas. Boris gostava de demorar-se a falar com quem encontrava nas suas deambulações, até que os seus interlocutores lhe recordavam polidamente que tinham outros compromissos e dele se despediam com amizade e alívio. Agradava-lhe principalmente falar com jovens, no parque de campismo (vestido, porque “à vontade não é à vontadinha”) sobre o seu modo de vida e os conceitos que lhe eram inerentes. Alguns dos seus ouvintes ficavam fascinados a ouvi-lo durante uns minutos, outros mostravam-se cépticos, outros ainda reagiam de modo brusco às suas tentativas de entabular conversa (digo-o desta maneira de modo a manter o tom suave desta epopeia, chamemos-lhe assim com um pouco de exagero – não muito, não se deve exagerar ao exagerar!)

E assim se sucediam os dias...

4 Comments:

Blogger O Micróbio II usou da palavra

Conversas bem sentidas!

27 julho, 2006 16:15  
Blogger Bel usou da palavra

Porque à vontade não é a vontadinha arrisco me a supor que esperar é mais complicado do que o Boris finge saber e como os beijos nos blogs podem tornar se superficiais mando um xuacs a quem conheço.

30 julho, 2006 18:30  
Blogger vareta usou da palavra

Supondo que o Boris seja das cercanias de Campo de Besteiros, não resisto a perguntar-me que raio de químico misturarão eles na água benta da pia baptismal...

31 julho, 2006 06:41  
Blogger al cardoso usou da palavra

Continuas em grande Lingua Morta.

Um abraco. Ja estou de volta.

03 agosto, 2006 10:10  

Enviar um comentário

<< Home